Início AUDIÇÃO Música Rock in Rio 2017 – o que esperar das principais atrações

Rock in Rio 2017 – o que esperar das principais atrações

143
Compartilhe

Desde a sua primeira edição em 1985, o Rock in Rio se tornou um marco entre festivais de música ao redor do mundo. Já são 17 edições – seis no Brasil, sete em Portugal, três na Espanha e uma nos Estados Unidos, em Las Vegas. Entre 2001 e 2011, o festival ficou adormecido: foram 10 anos sem ter edições entre 2001 e 2011. Mas, desde o Rock in Rio IV, de dois em dois anos a cidade do Rio de Janeiro tem sido palco de atrações para lá de renomadas. Em 2017, no Rock in Rio VII, não poderia ser diferente.

Rock in Rio - Madrid 2012.

No palco principal – o Palco Mundo – artistas da velha e nova geração do pop e rock trarão sucessos para todos os tipos de fãs nos seis dias de festival. Pet Shop Boys, Fergie, Alicia Keys, Def Leppard e Fall Out Boy – além de Lady Gaga, Aerosmith, The Who, Bon Jovi, Guns ‘n’ Roses, Red Hot Chili Peppers e Tears for Fears faz dessa edição uma das mais estelares. Vamos ao que você pode esperar das principais atrações do evento.

Em primeiro lugar, falemos de Lady Gaga. Discutivelmente a maior artista solo em atividade no mundo (Beyoncé e Rihanna que me perdoem), a artista trará um desfile de sucessos em sua década de destaque no universo da música. É interessante notar como o conceito das canções de Gaga mudou nos últimos dez anos. Quando Poker Face estourou, em 2008/2009, as canções de Gaga tratavam de temas de mais fácil assimilação pelo grande público – o poker parecia estar na moda no universo musical, alias, porque na época Katy Perry estava estourando com a música Waking Up in Vegas. Desde então, Lady Gaga vem lentamente colocando suas visões de mundo nas canções – tratando de temáticas socialmente relevantes, como em ‘Born This Way’. Depois da estrondosa apresentação da artista no intervalo do Super Bowl LI (a final da NFL, evento mais assistido na televisão americana), podemos esperar uma das melhores performances do festival.

Outra apresentação para lá de aguardada é a do lendário conjunto The Who. Os ingleses, apesar de não contarem com os já falecidos John Entwistle e Keith Moon, trazem Roger Daltrey e Pete Townshend da formação original. Na banda estão ainda Zak Starkey, baterista e filho do lendário Ringo Starr – quem herda não rouba. O filho de Pete Townshend, Simon, também toca guitarra e faz backingvocals. A promessa é um setlist completo para os fãs incondicionais ao mesmo tempo que atenderá os que não conhecem tanto a banda. Afinal, nada mais apropriado para um festival que tem “rock” ter os autores de “My Generation”, “Baba O’Riley” e a ópera rock “Tommy”.

Falando em rock, Aerosmith e Bon Jovi são também da velha guarda do gênero e trazem mais e mais sucessos conhecidos por todas as idades. O Aerosmith não é nenhum desconhecido para os brasileiros; em 2016, fizeram um show no Allianz Park, em São Paulo. Com Steve Tyler mais energético do que nunca, as baladas clássicas da banda americana estão aliadas à pegada mais hard rock do começo de carreira agradarão a todos.

O Guns ‘N’ Roses também volta ao festival. Para quem esperou Axl Rose na chuva no Rio de Janeiro em edições passadas, vê-lo novamente trarás as boas lembranças dos hits que marcaram uma geração. O Red Hot Chili Peppers, um pouco mais novos, mas também já para lá de veteranos, deverão agradar os mais novos – houve uma enorme identificação com a banda no início do século. Mesmo sem John Frusciante, ex-guitarrista, os integrantes possuem um cardápio recheado; se você apontar em qualquer direção, agradará o público.

Pois bem, o festival conta com nomes gigantescos do pop, além de Lady Gaga. Justin Timberlake, que tomou conta de milhares de corações desde os anos de N’Sync é um baita sucesso em quase tudo que ele toca – seja como ator ou fazendo a trilha sonora do filme Trolls. Grande promessa do domingo de 18 de setembro. Alicia Keys também se apresenta no mesmo dia, com uma pegada mais soul e R&B.

Mais do que os headliners, o festival tem uma penca de shows que serão inesquecíveis. Tears for Fears era uma máquina de hits na década de oitenta (mesmo dizendo que a música naquela época “tinha tanto lixo quanto hoje”, e eles mantém o nível de execução das próprias composições em altíssimo nível. The Offspring, Fall Out Boy e 30 Seconds To Mars farão os jovens roqueiros dos anos 2000 se lembrarem de bons tempos de mais de dez anos atrás.

O Rock in Rio 2017 promete ser uma das melhores edições. Há monstros inesgotáveis da música mundial, sucessos contemporâneos e música de enorme qualidade todos os dias. Para quem gosta, o festival deste ano deve ser o melhor desde que o evento se tornou bienal.