Início 6º SENTIDO Escolha Viver Sem Drogas – Pacto pela Vida

Escolha Viver Sem Drogas – Pacto pela Vida

474
Compartilhe

O Governo da Bahia lançou a campanha “Escolha Viver Sem Drogas”, como parte do excelente projeto Pacto Pela Vida. Com isso o governo pretende conscientizar e alertar os cidadãos, especialmente os jovens, de que fazer as escolhas certas é fundamental para ter uma vida de sucesso. Por que escolher o mundo das drogas se você pode escolher viver com alegria, com educação, com fé, com esporte, com música?

———————————————————————————————————————
Conscientemente falando, é hora de Atividade na LAJE!
———————————————————————————————————————

A estratégia é trazer o tema para um debate com a sociedade, feita para impactar o público. Imagine passar na rua e ver um outdoor com foto de Bell Marques ao lado da palavra “dependente”. Ou ver uma foto do professor Jorge Portugal ao lado da palavra “usuário”. E se ao dobrar a esquina tiver um outdoor com o lutador e campeão Junior Cigano ao lado da palavra “viciado”? Além dos outdoors, também foram veiculados filmes na televisão, spots nas rádios, busdoor, anúncios em jornais, mobiliário urbano, cartazes e outras mídias. Todas as peças incluem o selo: crack, é possível vencer.

 

A campanha foi criada pela agência Engenhonovo e os filmes foram produzidos pela produtora Santo Guerreiro. Vale destacar que a maioria dos veículos de comunicação reduziu os custos e cederam espaços extras para que a campanha tenha ainda mais força. Todas as personalidades abriram mão do cachê para participar da campanha e também gravaram depoimentos em vídeo para contribuir com a divulgação e o engajamento dos meios de comunicação.

 

Veja também o 2º filme veiculado na TV, clique aqui!

A campanha teve tanta repercussão que virou paródia em alguns sites da internet e nas redes sociais. Surgiram diversas imagens humorísticas inspiradas nas que foram promovidas pelo governo do estado. Leow Lopes do blog Papo de Buteco (clique e veja), resolveu associar os cartazes dos outdoors com críticas e ludicidade.