Início 6º SENTIDO O Medo da Vulnerabilidade

O Medo da Vulnerabilidade

Compartilhe

Das mais simples até as mais complexas, qualquer coisa que você faz, seja ela terrível ou dolorosa, faz sentido na sua cabeça. Você nunca conhece ninguém que se acha uma pessoa má pelo que faz. Você não pega o passado, coloca-o no porão, tranca a porta e nunca mais entra lá? É o que fazemos.

O medo
É preciso encarar o medo. Foto: Reprodução

Daí você conhece alguém especial e tudo que quer é entregar a chave. Dizer: “Abra. Entre!”. Mas não dá… Porque é escuro e há demônios. E se alguém ver o quanto é feio, nunca mais voltará.

Passamos então a viver com medo do que possamos parecer para o mundo, abrimos mão de coisas indubitavelmente crucias para qualquer ser. A paz de espirito, um sentimento brando e não contaminado que nos dar alicerces para suportar o que está por vir. Nos escondemos no mais profundo íntimo. Nos fechamos para o amor, ficamos paralisados demasiadamente a uma vida crua e autodestrutiva. Ninguém para dividir, ninguém para compartilhar aquele-qualquer sentimento acovardado e escondido no porão do nosso passado. O medo da vulnerabilidade.

Por um tempo indeterminado, perdemos a percepção da mudança e ficamos refém do tempo, nos destruímos com o que restou de nós. Parecemos vítimas das circunstâncias, que chocam, que nos empobrece como seres, através do medo e um sentimento de fraqueza e desespero. Então começamos a cair… E caímos! Até que, no momento de tristeza mais aterrorizante e sombrio, acordamos. Tudo não passou de um sonho. Ou não?

———————————————————————————————————————————————-

Guilherme FerrisGuilherme Ferris é formado em Administração de Empresas e desenvolve pesquisas em neurociência aplicada ao comportamento de consumo. Tem como hábitos, a leitura (principalmente assuntos relacionados ao comportamento humano) – viajar para lugares diferentes, assistir filmes e séries e ouvir uma boa musica com seu labrador. Vive um estilo de vida próprio, com alguns questionamentos. Para saber mais, acesse o perfil no Facebook.

  • Vanessa

    hoje em dias as pessoas estao só nas palavras e esquecem do real sentindo da vida

    • Guilhermeferris123

      Verdade Vanessa. A reflexão é o primeiro grande passo, mas por si só não muda nada, nem ninguém.

  • Nicolas

    me pego nesse estado constantemente

    • Guilhermeferris123

      Vivemos experienciando um mundo amargo, né meu caro? Existem dois tipos de dores, a que torna você mais forte e a inútil. Comecemos por ai…

  • Vanessa

    hoje em dias as pessoas estao só nas palavras e esquecem do real sentindo da vida

  • Ana Luisa Neves

    Gui! 🙂 Bem-vindo! 😉
    É isso mesmo!
    Como os sentimentos são tão universais, transversais, intercontinentais e teransoceânicos!
    Onde onde existem duas ou poucas mais pessoas existem mundos escondidos carregados de marcas de outras anteriores, que não estando presentes, projetamos nos outros e nos assolam, vulnerabilizando.
    Mas as soluções são tão variadas como a quantidade de pessoas. Cada pessoa tem um determinado potencial para se enfrentar e ajudar. Cabe a ela usar da sua vontade e força para dar início às soluções necessárias.
    Beijo Grande 🙂

    Ah, e venham mais textos 😉

  • Laila Guedes

    Que estréia hein Guilherme! Com um excelente texto de Boas Vindas desses nem sei o que dizer. Parabéns!!! Na verdade as pessoas não sabem da grandeza que nós somos, por se conhecer tão pouco, e muitas vezes por falta de fé em acreditar em nós mesmo. Pois, condição de risco volta e meia iremos nos deparar, mas cabe a nós essa superação!