Início TATO Mídia, agora é a vez dos animais

Mídia, agora é a vez dos animais

534
Compartilhe

Um assunto muito em voga nos dias de hoje é a proteção animal. E não há como falar em sustentabilidade, sem antes focar em preservação e proteção das espécies que vivem em nosso planeta.

Homens e animais de mãos dadas.
Homens e animais caminhando juntos. Foto: Reprodução

Há muitos anos, ativistas e Ongs como o Greenpeace, Sea Sheperd e Vista-se, lutam pelo direito dos animais. Contudo, este assunto permanecia recluso aos indivíduos diretamente envolvidos na causa. Com a febre da exposição de bichinhos fofos nas redes sociais em postagens de bom dia, boa tarde, boa noite e vídeos deliciosos, as pessoas puderam ficar mais próximas da intimidade dos animais. São páginas com milhões de seguidores que mostram os animais selvagens e domésticos em registros inusitados.

Outro motivo é a rotina cada vez mais corrida do ser humano. Sua conquista tardia no mercado de trabalho, as especializações cada vez mais necessárias e longas, que levam o indivíduo a estudar mais e mais. A complexidade da vida moderna colaborou para construir novos moldes de famílias: pais e pais, mães e mães, pais e mães sem filhos biológicos, quase todos eles com “filhos de estimação”.

Toda essa atmosfera amiga e familiar que vem relacionando o homem e os animais, permite à sociedade pensar com mais cautela sobre como o ser humano vem “produtificando” as espécies não humanas. Não raro, aqueles que experimentam conviver com um cão, um gato ou um hamster, passam a observar as características de cada personalidade: assim como os seres humanos, uns são mais meigos, amorosos e amigos; outros são mais turrões, acomodados ou arredios. Tudo isso tem colaborado para uma abertura de consciência e uma profunda reflexão sobre as semelhanças que existem entre todos os seres animados.

Animados porque possuem movimentos, sentimentos, sonhos, dores, alegrias e senciência em suas diferentes personalidades. O que os eleva a nível de pessoas, segundo estudos de Steven Wise, renomado Cientista professor em Harvard, que também é advogado e especialista americano em direito dos animais. Wise quis estender as diferenças que existiam entre os seres humanos e os animais, e a conclusão que chegou é a de que, não há diferenças fundamentais entre as espécies: “Tanto os seres humanos quanto os animais possuem capacidades motoras, sensoriais, físicas e emocionais, cada um com sua habilidade!”

Steven Wise é professor, advogado e especialista americano em direito dos animais, foto de Michael B. Lloyd.
Steven Wise é professor, advogado e especialista americano em direito dos animais. Foto: Reprodução

Para ele, ‘a moral de alguns cientistas é do nível de jardim da infância’. E continua:

Faz apenas 60 anos desde que os seres humanos decidiram que não fariam testes em outros seres humanos sem o consentimento deles. E cerca de um século e meio desde que humanos, neste país, deixaram de escravizar outros humanos. Será que essas coisas que costumávamos fazer uns aos outros, que só agora admitimos que eram grotescamente imorais, podem ser repetidas em outros seres?

Para quem gosta do tema, o saldo é muito positivo, nunca em tão pouco tempo foram possíveis tantas conquistas como nos últimos 10 anos. Recentemente, tivemos um caso que chamou a atenção do país, quando duas ativistas se acorrentaram em frente ao Instituto Royal para chamar a atenção das pessoas e impedir a eutanásia de animais. Este caso abriu um diálogo à população: “Por que somente os animais fofos (Beagles) foram defendidos? Ratos, coelhos, macacos e porcos também não eram animais?”

Lógico que sim!!! – defendeu Luisa Mell ao SBT repórter. Vegana, ela explicou que não come carne, não usa e não veste nada de origem animal. Muito inteligente e articulada, salientou que é mais fácil para as pessoas que estão tendo um primeiro contato com a causa, se emocionarem diante de animais tão presentes no dia a dia das pessoas como os cães. E se eles foram os garotos propagandas da causa, ótimo.

Em 2012, Luisa Mell participou do Projeto Animal da fotógrafa Rachel Guedes.
Em 2012, Luisa Mell participou do Projeto Animal da fotógrafa Rachel Guedes. Foto: Reprodução

O movimento de defesa animal têm ganhado tanta força, que hoje, não é só Luisa Mell que transita tranquilamente misturando sua carreira na TV com ativismo na rede social, sendo acompanhada por milhões de seguidores atentos. Já podemos apreciar políticos envolvidos na causa, como é o caso do engajado Deputado Ricardo Tripoli – PSDB/SP, e até mesmo atores, modelos e cantores.

O caso mais recente foi o da vencedora do BBB 2014, Vanessa, que recebeu 53% dos votos do público, em sua grande maioria, eram defensores dos animais agradecidos pela sua atuação na retirada de Beagles do Instituto Royal e sedentos pela promessa de uma Clinica Veterinária a preços populares, com os seus 1,5 milhão de prêmio. E agora, será que rola?

Ainda que sutilmente, a publicidade é outro grande estopim para a mudança necessária que vem demonstrando preocupação com os animais. É evidente que na contramão sempre está o lucro, e ainda existam campanhas e agências que sejam um desserviço à população, usando de nutricionistas e celebridades que anunciam algo como sendo bom por um saco cheio de milhões; mas existe também um novo conceito que vem nascendo entre as melhores construtoras de branding (imagem) que é a humanização das pessoas, preconizando o ser ao invés do ter.

Poderia ficar muitas horas listando campanhas e artistas envolvidos na causa que vem ganhando mídia, pois a lista de simpatizantes e adeptos cresce sem parar. Mas quero evidenciar uma intervenção em marketing de guerrilha que aconteceu no Chile, quando alguns estudantes de comunicação decidiram dar uma forcinha para os animais de rua. E também uma campanha brasileira contra maus tratos aos animais organizada pela ONG Ampara Animal. Artistas como Thaila Ayala, Gianne Albertoni, Suyane Moreira, Cleo Pires, Yasmin Brunet, Fiorella Mattheis, Ellen Jabour, Sabrina Sato e Paola Oliveira participaram da causa e foram fotografadas por Jacques Dequeker com seus animais de estimação. Está iniciativa ainda gerou o Calendário 2013 da Ampara Animal.

Cleo Pires na campanha contra maus tratos aos animais organizada pela ONG Ampara Animal, foto de Jacques Dequeker.
Cleo Pires na campanha contra maus tratos aos animais organizada pela ONG Ampara Animal.
As atrizes Paola Oliveira e Fiorella Mattheis também participaram da campanha organizada pela ONG Ampara Animal, fotos de Jacques Dequeker.
Paola Oliveira e Fiorella Mattheis na campanha organizada pela ONG Ampara Animal.
Exposição de lançamento da campanha organizada pela ONG Ampara Animal.
Exposição de lançamento da campanha organizada pela ONG Ampara Animal.
Calendário 2013 da ONG Ampara Animal.
Calendário 2013 (de parede) da ONG Ampara Animal.

O assunto é longo e para a alegria dos apaixonados por animais as boas novas são cada vez melhores, pois a política, o Ministério Público de alguns Estados e o universo executivo já ganham engajados que vem alavancando mudanças expressivas na maneira como essas cidades lidam com seus animais de rua e carroças de tração animal. Um exemplo disso é o canil da cidade de Gravataí, no RS.

E para quem não está de olhos atentos nas mudanças do mundo, sugiro que preste atenção ou irá perder um grande momento histórico. A verdade é que, a passos lentos, os animais começam a ganhar direitos e os políticos mais visionários do Brasil e do mundo, já podem incluir na sua plataforma política projetos que melhorem efetivamente a vida dos nossos amiguinhos.

Compartilhe
AnteriorPrêmio ATIVAR 2014
PróximoMenino Novo
Redatora Publicitária, Marqueteira, Roteirista e Country Manager. Amante das artes, ocultismo e, principalmente, de bichos. É ativista pelo Direito dos Animais, vegana e desenvolve ações de merchandising social, sustentabilidade e consciência ecológica.