Início VISÃO A Rede Social

A Rede Social

128

Desde o primeiro instante em que ouvi falar sobre o lançamento desse filme, minhas expectativas já foram as melhores. Afinal, impossível não ficar curiosa para conhecer a história do mais jovem bilionário do mundo e da rede social mais utilizada do momento.

A Rede Social
Andrew Garfield e Jesse Eisenberg no filme A Rede Social. © Columbia TriStar Marketing Group

Baseado no livro, Bilionários Por Acaso” de Ben Mezrich, o roteiro mostra como Mark Zuckerberg criou o Facebook, a grandiosa rede social que tomou conta do mundo. Aqui, é interessante notar que o maior estímulo dele foi exatamente a rejeição, ou seja, o pontapé inicial foi ironicamente um pé na bunda dado pela sua namorada. Junto a isso, a vontade de ser aceito nos círculos restritos, como os clubes privados de Harvard, entre outras aspirações, foram as diretrizes para essa criação. E daí para conquistar 500 milhões de amigos, foi um pulo. Para angariar alguns inimigos, também.

A direção de David Fincher é brilhante, tanto no desenvolvimento da trama, quanto na condução do elenco. E assim como a mente de Mark, o filme tem um ritmo ultra-acelerado. É preciso ficar completamente atento aos diálogos, porque se a atenção for desviada por um minuto sequer, lá se foi alguma informação primordial. Entre intrigas, sexo, noites mal dormidas e a incansável busca por aceitação, o filme vai aos poucos delineando a personalidade desse solitário e incompreendido gênio da computação e suas escolhas e renúncias rumo ao sucesso.

Com relação ao elenco, devo dizer que Jesse Eisenberg consegue transmitir perfeitamente a empolgação e ao mesmo tempo toda a apatia do criador do Facebook. Suas falas aceleradas, a necessidade de prestar pouca atenção ao que os outros dizem, os olhares perdidos durante as audiências judiciais que marcam as passagens de tempo, mostram toda essa disparidade existente em Mark. Andrew Garfield, também um ótimo destaque, dá vida a um importante personagem da trama, o brasileiro Eduardo Saverin, co-fundador do Facebook. No filme, após a suposta traição, Eduardo leva o ex-amigo a julgamento e Garfield consegue transparecer toda a ingenuidade e confiança de um cara que apostou todas as fichas na ideia daquele que considerava seu melhor amigo. Outra boa atuação é a do ator Armie Hammer, que interpreta os gêmeos Winklevoss. Achei a participação dele bem consistente, principalmente porque minha única lembrança dele era uma ponta no seriado Gossip Girl. E por último, mas não menos importante, a participação de Justin Timberlake que surpreende ao interpretar Sean Parker, co-fundador do Napster. Um cara que com toda sua esperteza e jogo de cintura conseguiu lucrar muito em cima do Facebook.

Cartaz do filme A Rede SocialInformações Técnicas

Título Original: The Social Network
Título no Brasil: A Rede Social
País de Origem: Estados Unidos
Gênero: Drama
Duração: 121 min
Ano de Lançamento: 2010
Estreou no Brasil: 03/12/2010
Direção: David Fincher
Roteiro: Aaron Sorkin
Produção Executiva: Kevin Spacey
Trilha Sonora: Trent Reznor e Atticus Ross
Estúdio: Relativity Media / Trigger Street Productions
Distribuição: Sony Pictures / Columbia Pictures
Site Oficial: www.aredesocial.com.br

A trilha sonora, composta por Trent Reznor, da banda alternativa Nine Inch Nails, e Atticus Ross, traz para A Rede Social um clima frenético que combina perfeitamente com o ritmo do filme e toda a miscelânea de acontecimentos e rapidez da história. Além disso, apesar de não fazer parte da trilha original, o single “Creep” do Radiohead na voz dos coralistas do grupo Scala, traz um tom melancólico para o trailer de lançamento de A Rede Social.

O filme debutou na 1ª posição em seu primeiro final de semana nos cinemas dos Estados Unidos, arrecadando US$23 milhões. Permaneceu nessa posição no final de semana seguinte, com US$15,5 milhões, acumulando 46 milhões em seus primeiros quinze dias. A cena de rompimento da abertura com Jesse Eisenberg e Rooney Mara teve oito páginas de roteiro e teve 99 takes. A Rede Social, venceu em 4 categorias do Globo de Ouro, incluindo Melhor Filme de Drama de 2010. Teve 8 indicações ao Oscar, levando para casa os prêmios de Melhor Roteiro Adaptado com Aaron Sorkin, Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora.

Enfim, saí do cinema com a sensação de que deveria assistir ao filme novamente para poder absorver todo seu conteúdo. E assistiria mais e mais vezes sem nenhum problema, porque é tudo muito envolvente. Além do mais, ter a oportunidade de ficar por dentro da mente de um cara tão brilhante, não é nada mal, né? (Revisão e colaboração: Felipe Rui).

Assista aqui, o 2º Trailer Oficial!