Início VISÃO Derruba-se mais um Mito!

Derruba-se mais um Mito!

42
Compartilhe

Pesquisa faz revelações sobre a alfabetização de adultos

Durante três anos, pesquisadores analisaram a resposta do cérebro diante do ensino da leitura. Os cientistas provaram que as pessoas de quaisquer idades têm a mesma capacidade de aprender.


Uma pesquisa desenvolvida no Centro Internacional da Rede Sarah de hospitais e publicada nesta quinta na revista americana Science trouxe revelações importantes sobre a alfabetização de adultos.

Firmino Santos ganha a vida como pedreiro, mas quer outro futuro. Aos 50 anos, entrou para a escola e, segundo ele, aprender a ler e escrever foi moleza. “A minha mente é como se fosse a mente de uma criança. Eu me considero uma criança na sala de aula”.

E foi isso mesmo que os cientistas descobriram. Durante três anos, pesquisadores portugueses, franceses, belgas e brasileiros se uniram em busca da resposta do cérebro diante do ensino da leitura. Analisaram 63 pessoas – analfabetos, ex-analfabetos e alfabetizados na infância.

Durante a leitura de frases, áreas são ativadas no cérebro de uma pessoa alfabetizada aos seis anos, por exemplo. No cérebro de um adulto que aprendeu a ler e escrever mais tarde, as áreas ativadas são exatamente as mesmas.

É a primeira vez que imagens do impacto do aprendizado da leitura no cérebro são obtidas por pesquisadores. A descoberta derruba um mito: o de que o aprendizado na fase adulta é fraco ou limitado, um subaprendizado.

Os cientistas provaram que a qualquer tempo, em qualquer idade, o cérebro tem a mesma capacidade de aprender.

“São capazes não só de aprender a ler, mas de aprender a ler muito bem, na medida em que eles vão treinando. Como qualquer um de nós. Quando a gente treina, aprende. O cérebro é plástico. Ele muda”, disse a neurocientista Lucinha Braga.

Firmino participou da pesquisa e já sabe como manter a cabeça fresca. “Hoje eu leio tudo. Então, para mim, eu estou enxergando tudo. Eu era cego e hoje eu sou completamente normal da minha visão”.

Fonte: Jornal Nacional (Publicada ontém, dia 11/11/2010).