Início VISÃO Flores Raras brotam do coração de quem sabe amar

Flores Raras brotam do coração de quem sabe amar

290
Compartilhe

Antes mesmo da sessão de cinema terminar, eu virei flor! Da raiz até o final do fio, o cabelo de Lota é tão negro que virou verso de um poema de amor. Entre Brasil e Estados Unidos, pouco importa em que língua seja falada, português ou inglês, o amor é real e o amor real é, antes de tudo, imperfeito.

Glória Pires e Miranda Otto no filme Flores Raras
Glória Pires e Miranda Otto no filme Flores Raras. Foto: Divulgação

O filme é carregado de sensibilidade. Um duelo interessante entre Glória Pires, que vive Lota de Macedo Soares (uma paisagista carioca que idealizou e supervisionou a construção do Parque do Flamengo e se intitulava “arquiteta”), de forma expansiva, emotiva, brasileira e passional. Já a atriz Miranda Otto, que interpreta Elizabeth Bishop (uma poetisa norte-americana), é toda contenção, atua para dentro, é tímida, insegura, distante e retraída. No princípio sofre o choque cultural, e por isso muitas vezes foi mal interpretada, afinal, ela veio de uma cultura bem mais repressora, onde as emoções são reservadas.

O drama sensível tem como essência o sentimento forte entre duas mulheres que se amam e convivem abertamente, demonstrando sua relação no contexto da alta sociedade carioca no início da década de 1950, o que fazem de Flores Raras uma obra delicada e de valor.

O amor é mesmo algo fascinante. Ele não escolhe credo, raça, idade, sexo, nem classe social. Ele é apenas amor, puramente, único e sincero. Flores Raras brotam do coração de quem sabe amar. Ao invés de polemizar sobre a temática gay, prefiro me entregar ao amor, como o longa o faz tão bem. O assunto é tratado tão sutilmente que para o espectador não é um amor entre duas mulheres, é apenas amor entre duas almas, dois seres completamente diferentes. Não importa o gênero sexual e sim o carinho, o afeto, respeito e admiração mútua.

Glória Pires e Miranda Otto no filme Flores Raras
Glória e Miranda contracenam no filme Flores Raras. Foto: Divulgação
Glória Pires sendo dirigida por Bruno Barreto no filme Flores Raras
Glória sendo dirigida por Bruno Barreto. Foto: Divulgação

O filme do cineasta Bruno Barreto desperta questionamentos internos ao espectador – porque essas mulheres tão diferentes entre si se interessaram uma pela outra? As duas se complementam perfeitamente, cada uma forneceu à outra algo de que precisavam, embora o amor entre elas tenha surgido com o tempo. A relação amorosa é de uma simplicidade e ao mesmo tempo de uma complexidade que não se tem dúvidas de que é amor, apesar de muitas vezes duvidar.

É possível que Bishop nunca tivesse florescido como poeta se não tivesse vindo morar no Brasil. Ela precisou se “abrasileirar” um pouco para criar. Mas a própria “brasilidade” do país a faz ir embora, pois como ela mesma afirma numa cena, a personagem é uma daquelas pessoas que “sempre se sentiu sem um lar”. Afinal de contas, ela não era nem americana nem brasileira. Como muitos artistas, Elizabeth Bishop parecia viver num mundo à parte.

Cartaz do filme Flores RarasInformações Técnicas

Título Original: Flores Raras
País de Origem: Brasil
Gênero: Drama / Romance
Duração: 118 min
Ano de Lançamento: 2013
Estreou no Brasil: 16 de Agosto de 2013
Direção: Bruno Barreto
Roteiro: Carolina Kotscho e Matthew Chapman
Produção: Paula Barreto e Lucy Barreto
Diretor de fotografia: Mauro Pinheiro
Figurino: Marcelo Pies
Coprodução: Globo Filmes e LC Barreto
Distribuição: Imagem Filmes

Já Lota de Macedo, o oposto da sua amada, é uma mulher decidida, segura e de pulso firme. Mantém o tempo todo um tom de audácia acompanhado por um surpreendente gestual masculino, mas sem jamais perder a feminilidade. Apesar da figura durona de Lota, essa fortaleza toda é apenas uma proteção a sua fragilidade emocional, que se desfaz já no ato final do filme, através da sua decadência mental.

Antes mesmo que os créditos finais começassem a subir, quando já não pensava mais me envolver, pois me sentia envolvida tanto quanto poderia… Eu virei Flor! O poema de Elizabeth Bishop é de tamanha grandeza que traduz em poucas palavras o muito de todos nós.

A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contém em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério. Perca um pouco a cada dia.
Aceite, austero, a chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente da viagem não feita. Nada disso é sério.
Perdi o relógio de mamãe.
Ah! E nem quero lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Perdi duas cidades lindas.
Um império que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.
Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo que eu amo) não muda nada.
Pois é evidente que a arte de perder não chega a ser um mistério por muito que pareça (Escreve!) muito sério.

* Tradução do poema: Paulo Henriques Britto.

———————————————————————————————————————————————-

Laila GuedesLaila Guedes é publicitária, produtora, roteirista e diretora de vídeos e programas de TV. Fotógrafa nas horas vagas, também é apaixonada por música, literatura e cinema. Uma mulher comum com pensamentos comuns. O que difere é que ama com o coração e permite que a sua alma seja tocada, sem deixar de acreditar. Vive um estilo de vida saudável, cuida do Corpo, da Mente e da Alma. Quer saber mais? Acesse o seu blog pessoal.

Compartilhe
AnteriorEncerrando Ciclos
PróximoExercitando a Audição com John Mayer

Publicitária, produtora, roteirista e fotógrafa nas horas vagas. Apaixonada por música, literatura e cinema. Uma mulher comum com pensamentos comuns. Vive um estilo de vida saudável, cuida do Corpo, da Mente e da Alma. Quer saber mais? Acesse meu blog pessoal!

  • Fernanda

    Lindo mesmo esse Filme! Um amor de verdade, e raro, como Flores Raras.

    • Laila Guedes

      Sim, muito lindo, muito verdadeiro! Vale muito a pena assitir. Abs.

  • Renata

    Eu assisti ao filme, é lindo.

    • Laila Guedes

      É sim, muito sensível nos detalhes. Um típico filme que deve senti-lo, mas que assisti-lo. Abs

  • Denise

    Assisti o filme ha 4 dias e até então não parei de pesquisar sobre Elizabeth e Lota. O filme é maravilhoso e retrata muitas questões como o amor verdadeiro, a doação, a política. Eu adoro filmes que nos dão a possibilidade de conhecer a vida de pessoas que fizeram a diferença. Me apaixonei. Intenso e ao mesmo tempo delicado.