Compartilhe
Ed e Lorraine Warren (Patrick Wilson e Vera Farmiga) no filme Invocação do Mal (The Conjuring). © Warner Bros. Entertainment
O casal Warren, interpretado por Patrick Wilson e Vera Farmiga. © Warner Bros. Entertainment

Invocação do Mal (The Conjuring) do diretor James Wan, o mesmo de Sobrenatural (Insidious) e Jogos Mortais (Saw), é meu tipo de filme de terror favorito. Gosto da exploração do sobrenatural, gosto dos sustos e do medo que as aparições demoníacas costumam causar. Mas principalmente quando aparece nos letreiros a frase “baseado em fatos reais”. E Invocação do Mal 1 e 2 tem tudo isso.

Quando eu descubro que um filme de terror se diz baseado em fatos reais eu logo quero pesquisar a respeito. Obviamente que quando se trata de um tema sobrenatural, eu fico ainda mais curiosa. Recentemente assisti Invocação do Mal 2 e, apesar de ter me decepcionado um pouco com o filme, resolvi dar aquele Google pra saber mais sobre as famílias Hodgson e Perron, nas quais os dois filmes foram inspirados.

Além das famílias, nenhum dos filmes existiria se não fossem pelo trabalho dos demonologistas Ed e Lorraine Warren. O casal que trabalhava com investigações sobrenaturais desde o início dos anos 50 atuou em mais de 4 mil casos de possessão, infestação e opressão de demônios; dentre eles o caso da Família Perron e o da Família Hodgson, também conhecido como Poltergeist Enfield.

O casal Warren, interpretados por Patrick Wilson e Vera Farmiga, no filme Invocação do Mal (The Conjuring - 2013). © Warner Bros. Entertainment
Cenas do filme Invocação do Mal. © Warner Bros. Entertainment

Invocação do Mal (The Conjuring – 2013) é baseado na aterrorizante investigação da história dos Perron, que viviam em uma fazenda em Harrisville, Rhode Island. Roger Perron, sua esposa Carolyn, e suas cinco filhas Andrea, Nancy, Christine, Cindy e April foram assombrados durante dez longos anos por uma bruxa vingativa e um monte de outros espíritos que habitavam a fazenda. Acredita-se que a principal assombração era uma bruxa satanista do século 19, chamada Batsheba Sherman, que tinha como principal alvo Carolyn. A bruxa era descrita como “tendo um rosto ‘semelhante a uma colmeia de abelhas desidratada’ coberto de teias de aranha, sem características humanas exceto pelos vermes que rastejavam através de fissuras em sua pele enrugada do rosto. Sua cabeça, redonda e cinza, era ‘inclinada para um lado’, como se seu pescoço tivesse sido quebrado e um mal cheiro impregnava o quarto quando ela estava presente.” Que medo!

Além dela, muitos outros espíritos, alguns bons e outros nem tanto, atormentavam a família fazendo ruídos, mudando objetos de lugar, puxando pés e cabelos e espalhando odores pela casa. Nem quero imaginar o que pode ter sido essa experiência. No final, quando a família finalmente teve condições, se mudou da fazenda. Porque, diferente do filme, a casa não pode ser “limpa” nem pelos Warren, nem pela Igreja.

As atrizes Vera Farmiga e Bonnie Aarons, a freira demoníaca, no filme Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2 - 2016). © Warner Bros. Entertainment
As atrizes Vera Farmiga e Bonnie Aarons (a freira demoníaca). © Warner Bros. Entertainment

Em Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2 – 2016) temos outra família, igualmente aterrorizada por fenômenos sobrenaturais. Peggy Hodgson e seus filhos, Margaret, Janet, Johnny e Billy sofreram vários incidentes que caracterizam um verdadeiro poltergeist. Batidas nas paredes, móveis que se moviam, objetos voando ou pegando fogo, além da terrível dominação do espírito sobre Janet, que foi a que mais sofreu com os ataques. Achavam que as crianças estavam pregando uma peça nos adultos, mas era praticamente impossível que crianças pudessem encenar tais eventos por quase dois anos. Ed e Lorraine Warren passaram a investigar o caso para atestar sua veracidade. Existiu muita especulação sobre a família manipular os eventos e, inclusive, a mãe Peggy admitiu que em alguns momentos eles quiseram testar os investigadores para saber se conseguiriam diferenciar eventos verdadeiros de falsos, mas que os demais acontecimentos foram reais. A senhora Peggy viveu na casa até falecer em 2003.

Para quem não sabe, Ed Warren faleceu em 2006, mas Lorraine continua vivona, cuidando do museu que mantém sobre os casos já investigados por ela e o falecido esposo. Inclusive, Lorraine ajudou durante as filmagens de Invocação do Mal.

Verdadeiras ou não essas histórias são realmente aterrorizantes. Imagina não ter paz na própria casa? Eu acredito em vida após a morte, mas não em possessões demoníacas e eventos como poltergeist. Prefiro não dar asas a minha imaginação com relação a esses assuntos. Porque né, fica meio difícil dormir com a luz apagada crendo nesse tipo de coisa. Mas de qualquer forma, esse gênero continua sendo meu favorito no cinema.

Referências: Assombrado e Mundo Freak.