Início VISÃO A LISTA

A LISTA

Compartilhe

Por Edvando Junior

No episódio anterior…

Uma pista surge em meio às investigações deflagradas pelo detetive Djorge nas imediações do Imbuí. Ele encontrou um chaveiro, caído próximo ao BAR DO JURA. Tomou todo cuidado para capturá-lo e logo percebeu que era um chaveiro das Meninas SuperPoderosas (somente o cabeção da personagem Docinho), no verso alguém tinha talhado as iniciais DM e havia uma chave pendurada. A cada passo dado, o detetive se aproximava ainda mais de uma revelação surpreendente que mudaria os rumos da investigação.

Djorge fez algumas perguntas pela redondeza e logo partiu em retirada rumo ao seu QG. Ele sabia que aquele chaveiro seria a chave para desvendar os segredos da Dona Mocinha… Quando retornava, passando pelo Posto 1 da Paralela, ele avistou um Bonecão do Posto que balançava de forma suspeita, para frente e para traz. Geralmente um Bonecão do Posto se balança freneticamente da esquerda para direita, e vice-versa. Mas esse não, e isso deixou o detetive intrigado. Então ele começou a observar durante o caminho de volta, se mais algum bonecão se movimentava dessa forma estranha, e identificou mais três durante o trajeto até a sua casa, na Estrada do Coco.

Mas e a famosa lista divulgada pela Dona Mocinha que supostamente lançaria o bombom BRANCO BOM, seria apenas mais um disfarce? Algo que escondia mais um plano maléfico? Algo que encobria o seu verdadeiro MEGA plano de conquistar o mun… Ops, ninguém sabe, ninguém viu, isso fica para depois…

Eis que surge a nossa personagem secreta. Visualizem a cena! A famosa cena clássica e estupendamente repetida nos cinemas. Alguém vinha chegando, em meio a sua sombra projetada na parede, com uma espécie de faca! Tan, Tan, Tan, Tan… Quando enfim ela apareceu: “Ahhhhh”, o grito assustador desferido por “A NORA”, ecoou no galpão escuro das Corporações XuáXuá. Mas quem adentrou furtivamente pela porta dos fundos, sabia muito bem onde estava se metendo. Logicamente quem estava ali, naquele exato momento era Agulha Longa, braço esquerdo da Dona Mocinha.

Como de costume a sacripanta chegou sorrateiramente com seu “palito de prender cabelo” em punho. Agulha Longa usava esse codinome porque era alta, longa, morena, gostosa, o sucesso da Bahia. Ainda por cima, andava por ai, exibindo aquele “palito” que mais parecia uma agulha de crochê, em que ela tirava e colocava do cabelo para seduzir os homens da cidade. Ela é um escândalo!

– Agulha, você quase me matou de susto. – Disse, “A NORA”.
– Ela sempre chega de forma triunfal. – Dona Mocinha falou.
– Trouxe a lista?
– Está aqui tchuchuca, toma!
– Ótimo, mas ta faltando meu porteiro Roque. Vou botar na lista pra MATAR!

As três meliantes caíram na risada, por horas a fio. Agora eram três, maquinando algum plano maquiavélico… Ohhh, e agora, quem poderá nos defender? Enquanto isso, o detetive já estava em casa pesquisando sobre a anatomia frenética e colorida dos bonecões. Ele procurava alguma ligação entre o bonecão, o chaveiro cabeçudo, a chave e as iniciais DM. Quem sabe isso o levaria ao QG da Dona Mocinha e se a chave pendurada no chaveiro cabeçudo encaixasse na fechadura, seria a comprovação das suas suspeitas. Cuidado detetive, essas três são um perigo!

Preparem-se, pois o lançamento do BRANCO BOM vai ser um evento épico. Djorge, seu pateta, corra! Descubra logo o que essas três estão tramando…

A saga da Dona Mocinha, continua no próximo episódio…

———————————————————————————————————————–

Cadeirante, cidadão, designer gráfico, apaixonado por projetos de sustentabilidade e tudo que diz respeito a preservação da natureza. Atualmente estou viajando no mundo das palavras, nessa gratificante sensação de exprimir sentimentos para ativar os sentidos. @edvandojr

Compartilhe
AnteriorStereo Love
PróximoAlimentação Leve para o Verão

Cadeirante, cidadão, designer gráfico, apaixonado por projetos de sustentabilidade e tudo que diz respeito a preservação da natureza. Fundador do site Ativar Sentidos e idealizador do projeto social Natal Solidário. Atualmente, segue viajando no mundo das palavras.