Início VISÃO Natalie Portman – Sutil, Forte e Decidida

Natalie Portman – Sutil, Forte e Decidida

1816
Compartilhe

Se você pudesse descrever Natalie Portman em uma frase, qual seria? Sinceramente, eu não conseguiria defini-la em apenas meia dúzia de palavras. É como se a cada novo personagem estivéssemos diante de uma Natalie diferente. E de fato é realmente isso. Aliás, a capacidade de se tornar diferente cada vez que encena um papel é o que torna um ator realmente bom. E ela carrega muito talento sob aqueles ombros frágeis e delicados.

Natalie Portman - AnOther Magazine (2004)
Ensaio fotográfico para AnOther Magazine (Outono/Inverno 2004). Foto: Craig McDean/Reprodução

Atualmente, falar de Portman é ainda fazer menção a Cisne Negro (2010), um dos seus últimos trabalhos, pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz. Há muito não víamos tamanha entrega a um personagem, onde ficava difícil definir até onde a atriz foi para construí-lo. Porém, a carreira dela começou muito antes da ambígua Nina Sayers.

Nascida em Jerusalém, Israel, em 1981, Natalie é a filha única de uma americana e um israelense. Seus ancestrais maternos são imigrantes judeus dos EUA, da Rússia e da Áustria. Os ancestrais paternos saíram da Polônia e Romênia. Uma mistura danada. Curiosidade: a bisavó paterna foi uma espiã da inteligência Britânica durante a Segunda Guerra Mundial. Seus pais se conheceram nos EUA e continuaram se correspondendo mesmo após ele voltar para Israel e acabaram se casando quando a mãe dela visitou o país. Portman nasceu em Israel, mas mudou-se para os EUA, primeiro para Washington, aos 4 anos, depois Connecticut, Long Island e por fim, New York, onde mora até hoje.

Natalie Portman e Jean Reno
Jean Reno e Natalie em ação. © 1994, Sony Pictures Home Entertainment
Natalie Portman no filme O Profissional
Mathilda, sua primeira personagem. © 1994, Sony Pictures Home Entertainment
Natalie Portman no filme O Profissional
Cena do filme O Profissional. © 1994, Sony Pictures Home Entertainment

Desde pequena, Natalie se considerava diferente das outras crianças da sua idade. Ela era ambiciosa, pois sabia exatamente o que gostava e queria. Sempre soube escolher muito bem os papéis que gostaria de encenar, qualidades aliás, que a acompanham até hoje. Em 1994, aceitou o papel de uma menina que se torna amiga de um assassino no filme Léon – O Profissional, de Luc Besson (assista o Trailer). Ela tinha 13 anos e esse foi o início de sua carreira profissional. Detalhe: Natalie não queria fazer a cena em que Mathilda fumava, pois não gostaria de passar uma imagem ruim aos adolescentes, mas Besson a convenceu dizendo que depois ela mostraria que esse era um hábito ruim.

Uma característica muito marcante na atriz é o fato de sempre se preocupar com a mensagem que pode passar ao seu público. Tal qual não querer fumar para não influenciar um público mais jovem, ela fez com que o roteiro de Em Qualquer Outro Lugar (1999) do diretor Wayne Wang, fosse alterado para que não tivesse uma cena de nudez. Além disso, também recusou o papel de Lolita (1997) por conta de seu sentimento sobre a exposição de jovens a cenas sexuais. Ela se orgulha de ser um bom exemplo para as garotas, por isso tenta escolher papéis positivos que sirvam de modelo.

Natalie Portman no filme de Woody Allen
Natalie Portman, Gaby Hoffmann e Barbara Hollander no filme de Woody Allen. © 1996, Miramax Films
Natalie Portman - Revista Seventeen (1998)
Natalie aos 17 anos de idade, fotografa para Revista Seventeen (janeiro/1998). Foto: Cliff Watts/Reprodução
Natalie Portman contracena com Susan Sarandon
Natalie contracena com Susan Sarandon no filme “Em Qualquer Outro Lugar”. © 1999, 20th Century Fox
Natalie Portman interpreta Padmé Amidala
Portman encarna a princesa Padmé Amidala na trilogia Star Wars. © 1999, Lucasfilm Ltd. & TM

Nos anos 90, Portman atuou em Fogo Contra Fogo (1995) de Michael Mann, Todos Dizem Eu Te Amo (1996) de Woody Allen, Marte Ataca! (1996) de Tim Burton e Brincando de Seduzir (1996) de Ted Demme. Por sua atuação em Em Qualquer Outro Lugar, Portman foi indicada ao prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante no Globo de Ouro por sua personagem Ann August. No final dos anos 90, em mais um grande acerto na carreira, ela foi escalada para representar a princesa Padmé Amidala na trilogia Star Wars. Logo após a estreia de Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma (1999), do diretor George Lucas, ela aceitou protagonizar Onde Mora o Coração (2000) com direção de Matt Williams, como uma adolescente grávida. Atentem-se para os diretores escolhidos, todos grandes nomes. Mesmo que o filme não tenha sido um grande sucesso e os papéis não tão grandes, ainda sim, boas escolhas.

Não deixe de ler a continuação do perfil de uma das maiores atrizes da atualidade. Sua temporada em Harvard, a carreira nos anos 2000 e muito mais.

Colaboração e Revisão: Felipe Rui.
Referências: Natalie Portman Brasil, IMdB e Adoro Cinema.

———————————————————————————————————————————————-

Gabriela SilvaGabriela Silva, mais conhecida como Petit Gabi é uma paraense que já morou em algumas cidades, mas que encontrou seu porto seguro em São Paulo. Uma redatora que adotou a escrita como hobby. Amante de livros, gatos, Chico Buarque e apaixonada por redação. Enfim, uma pessoa comum, que gosta de escrever sobre coisas comuns. Mais do mesmo no Só Vim Pra Escrever, seu blog pessoal. @petitgabi

Compartilhe
AnteriorSUBMISSION – Um Filme de Theo Van Gogh
PróximoInstruments From Inside, por dentro do som

Gabriela Silva, mais conhecida como Petit Gabi é uma paraense que já morou em algumas cidades, mas que encontrou seu porto seguro em São Paulo. Uma redatora que adotou a escrita como hobby. Amante de livros, gatos, Chico Buarque…